SEMEADORES DA PALAVRA DE DEUS - A PORTA DE DEUS PARA A SALVAÇÃO.


 
InícioPortalRegistrar-seConectar-se

Porque, se com a tua boca confessares Jesus como Senhor, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo; Romanos 10.9

http://i.imgur.com/WOeDEht.jpg
ESCOLA BÍBLICA
ORAÇÕES
Quem está conectado
19 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 19 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 183 em Ter 19 Nov 2013, 18:07
Últimos assuntos
» Como permanecer encorajado quando você quer desistir (Parte 2)
Sab 18 Nov 2017, 20:09 por Henrique

» Minuto com Deus!!!
Sab 18 Nov 2017, 01:38 por Paulo Cezar

» Frase do dia.
Sex 17 Nov 2017, 21:35 por Henrique

» Como permanecer encorajado quando você quer desistir
Sex 17 Nov 2017, 20:04 por Henrique

» Quais os requisitos bíblicos para o batismo?
Qui 16 Nov 2017, 10:50 por Henrique

» NOS ÚLTIMOS TEMPOS...
Qua 15 Nov 2017, 18:39 por Henrique

» Nós não assistimos o culto, mas prestamos culto!
Ter 14 Nov 2017, 23:38 por Henrique

» O amor de Deus é condicional?
Sab 11 Nov 2017, 15:08 por Henrique

» A PRÁTICA DO JEJUM - (Mt.9.14,15) Sua participaçãoa aqui.
Qui 09 Nov 2017, 22:47 por Henrique

» Como eu posso buscar Deus de forma consciente?
Qui 09 Nov 2017, 21:48 por Xnessax15

» A DOUTRINA DO DÍZIMO. Pt. 5 A PALAVRA DE CRISTO SOBRE O DÍZIMO
Seg 06 Nov 2017, 16:12 por guganic

» Como é que DEUS teria permitido algo horroroso assim acontecer no dia 11 de setembro
Dom 05 Nov 2017, 21:26 por Henrique

» DE QUE SE QUEIXA O HOMEM?
Sab 04 Nov 2017, 02:26 por guganic

» É pecado fazer juramentos?
Sex 03 Nov 2017, 22:27 por Henrique

» Cristãos são expulsos de cafeteria por proprietário gay
Qui 02 Nov 2017, 16:35 por M.Rogério

» É pecado o uso de camisinha ( preservativo ) nas relações sexuais?
Qua 01 Nov 2017, 21:43 por Henrique

» Melhor é ir à casa onde há luto do que ir a casa onde há banquete
Qua 01 Nov 2017, 20:58 por Henrique

» Aos gritos de “Alá é grande”, terrorista muçulmano mata oito pessoas em Nova York
Qua 01 Nov 2017, 10:10 por Henrique

» Católicos invadem culto para protestar contra Reforma
Qua 01 Nov 2017, 09:54 por Henrique

» AUXILIO NA ANGÚSTIA Sl.60.11,12
Seg 30 Out 2017, 15:14 por guganic

» A DOUTRINA DO DÍZIMO. Pt. IV O Dízimo na Lei, já na Terra Prometida.
Seg 30 Out 2017, 00:32 por guganic

» QUEM SÃO OS INTOLERANTES?
Sab 28 Out 2017, 02:16 por Henrique

» DEVOCIONAL - O mistério do casamento
Seg 23 Out 2017, 13:03 por Henrique

» A DOUTRINA DO DÍZIMO. O DÍZIMO NA LEI Pt III Outubro de 2017
Dom 22 Out 2017, 00:21 por guganic

Navegação
______ _______ ______ ______ _______ _______ ______ _______ ______ ________
Choose Your Language
English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
BÍBLIA EM ÁUDIO

Fórum grátis

DICIONÁRIO BÍBLICO



FIQUE POR DENTRO


imprimir uma pagina


Compartilhe | 
 

 Se Deus é o autor da Escritura, então a Escritura é verdadeira

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Henrique

avatar

RELIGIAO : Cristão, denominação: Batista
Masculino Mensagens : 5304
nascido em : 27/01/1961
inscrito em : 09/09/2011
Idade : 56
Localização : São Paulo, capital

MensagemAssunto: Se Deus é o autor da Escritura, então a Escritura é verdadeira   Ter 11 Jul 2017, 20:45

.

Se Deus é o autor da Escritura, então a Escritura é verdadeira



Se você leu história da igreja, você já viu tudo. Isso não é inteiramente uma hipérbole. Muitas das objeções e perguntas com as quais lidamos na igreja hoje foram enfrentadas por gerações passadas de crentes. Um homem sábio já não disse: “Nada há novo debaixo do sol”? Isso é verdadeiro sobre a doutrina da inerrância. Em 1979, Jack B. Rogers e Donald McKim escreveram um livro intitulado The Authority and Interpretation of the Bible: An Historical Approach [A Autoridade e Interpretação da Bíblia: Uma Abordagem Histórica]. A ideia ou tese central ficou conhecida como a proposta Rogers/McKim, que é esta: A Bíblia é autoritativa em questões de fé e conduta, mas não é infalível quando se trata de detalhes históricos ou científicos. Além disso, a doutrina da inerrância é uma inovação do século XIX. Rogers e McKim argumentaram que os teólogos de Princeton do século XIX e início do século XX, mais notavelmente B.B. Warfield, criaram a doutrina da inerrância, que ensina que a Bíblia é inteiramente sem erro em tudo o que afirma.

A proposta de Rogers/McKim foi uma reação à Declaração de Chicago sobre a Inerrância Bíblica, de 1978. Essa declaração foi a obra do Conselho Internacional sobre a Inerrância Bíblica (CIIB), liderada por pessoas como R.C. Sproul, Edmund Clowney, J.I. Packer, James Montgomery Boice, e outros. O conselho produziu uma declaração de cinco parágrafos breves, uma lista de dezenove artigos de afirmação e negação, bem como três páginas de exposição adicional.

A Declaração de Chicago

A Declaração de Chicago foi elaborada durante quatro dias no fim de outubro de 1978 no hotel Hyatt Regency no Aeroporto O’Hare de Chicago. Os líderes do CIIB assinaram primeiro, depois outros em Chicago; em um total de 268 assinaturas. Nas semanas e meses seguintes, centenas de assinaturas foram adicionadas de todo o país e do mundo por representantes de várias denominações, ministérios, universidades e seminários. Ao longo da década seguinte, o CIIB publicou livros e folhetos, patrocinou conferências e reuniões e promoveu a doutrina da inerrância na igreja e no meio acadêmico.

Se você indagasse os participantes mais eminentes a respeito da inerrância em Chicago, descobriria que eles realmente haviam sido influenciados por B. B. Warfield e outros oriundos de Princeton. Afinal, foi Warfield quem ajudou a igreja ao oferecer um argumento direto e simplificado para a inerrância.

O filósofo medieval William de Ockham é conhecido por seu princípio da parcimônia, ou simplicidade. O argumento com o menor número de suposições é o melhor argumento, afirma o princípio. O argumento que não se baseia em uma complexa rede de argumentos e sub-argumentos é o melhor argumento. Warfield usou bem a navalha de Ockham. O argumento simples, mas não simplista, que ele fez foi este: Se Deus é o autor da Escritura, então a Escritura é verdadeira.

Nós poderíamos usar os termos teológicos da inspiração e inerrância aqui. Se a Bíblia é a Palavra de Deus, se é o texto inspirado que foi soprado por Deus, então evidentemente ela é verdadeira. Se a Bíblia é inspirada, ela é inerrante. Este argumento simples, mas preciso, é o dom de Warfield para a igreja.

A Declaração de Chicago amplia esse argumento básico e, muito importante, estabelece os limites do que significa e o que não significa inerrância por meio dos seus dezenove artigos de afirmação e negação. A Declaração de Chicago sustentou uma geração inteira na batalha pela Bíblia. Ela deu vigor aos conservadores teológicos na Convenção Batista do Sul quando eles entraram em combate em seus seminários, agências e estruturas denominacionais, aos conservadores teológicos no Presbiterianismo e em outras tradições, e a muitos outros líderes evangélicos.

Atualmente, estamos vendo a antiga proposta de Rogers/McKim novamente. A acusação está sendo feita de novo de que a inerrância é uma invenção moderna e de que os evangélicos têm à sua disposição outros modelos para entender a autoridade da Escritura. “A inerrância não é necessária”, tem sido dito a nós. “Podemos pensar sobre a Escritura de uma maneira diferente”. Mas essas novas contestações são realmente novas?

Pedro realmente o disse?

Um olhar intrigante para a doutrina da igreja primitiva sobre a Escritura vem de uma correspondência entre Jerônimo e Agostinho. Enquanto Jerônimo estava trabalhando em sua tradução da Bíblia, ele se deparou com Gálatas 2.11-14 e o confronto de Paulo com Pedro em Antioquia. Em uma tentativa de proteger a reputação de Pedro, Jerônimo concluiu que todo o episódio era fictício.

Agostinho cria que se você admitir o erro em um lugar, a Bíblia inteira estará aberta à dúvida. Ele escreveu a Jerônimo uma série de cartas por essa causa. Em uma carta, Agostinho escreveu:

Admita mesmo uma única mentira bem-intencionada em uma autoridade tão exaltada, e não haverá uma única seção daqueles livros que escapará, se parecer a alguém apresentar dificuldades do ponto de vista prático ou for difícil de crer do ponto de vista doutrinário, pelo mesmo princípio muito prejudicial de ser classificada como o ato deliberado de um autor que estava mentindo.

Agostinho afirmava “a autoridade da verdade não adulterada”. Ele acrescentou:


Deve ser feito um esforço para levar ao conhecimento das Sagradas Escrituras um homem que tenha uma opinião tão reverente e confiável sobre os livros sagrados que se recusaria a encontrar prazer em uma mentira bem-intencionada em qualquer passagem deles e que ignoraria o que não entende ao invés de preferir a sua própria inteligência à veracidade deles.

Quando alguém prefere a sua própria inteligência, Agostinho continuou: “tal pessoa exige credibilidade para si mesmo e tenta destruir a nossa confiança na autoridade da Sagrada Escritura”. Nós nos submeteremos à Escritura, ou submeteremos a Escritura a nós mesmos?

Essa correspondência entre Agostinho e Jerônimo nos ensina muitas coisas. Ensina-nos que Warfield não inventou a doutrina da inerrância. Warfield contribuiu para o desenvolvimento da nossa compreensão sobre a inerrância bíblica, oferecendo uma maneira útil de declarar a doutrina. Mas ele não a inventou.

Essa correspondência também nos ensina que as contestações à “autoridade não adulterada” e à plena veracidade das Escrituras não são novas. Na verdade, essas objeções são bem mais antigas do que 390 d.C. As contestações remontam ao jardim e a Gênesis 3.1. Além disso, essa correspondência revela a verdadeira questão subjacente a essas objeções à inerrância. A verdadeira questão é a falta de submissão.

Agostinho compreendeu que devemos submissão à Palavra de Deus porque devemos submissão a Deus. João Calvino ressalta exatamente esse ponto em seu comentário sobre 2 Timóteo 3.16, onde escreve: “Devemos à Escritura a mesma reverência que devemos a Deus, porque ela procede somente dele”. Em suas Institutas da Religião Cristã, Calvino acrescenta: “A plena autoridade que [as Escrituras] têm para os fiéis não procede de outra consideração senão de que eles são convencidos de que elas procedem do céu, como se Deus fosse ouvido falando a eles”.

Martinho Lutero chamou a Bíblia de nosso fundamento. Ele advertiu: “Não devemos nos desviar das palavras… De outro modo, o que aconteceria com a Bíblia?”. Lutero disse uma vez que, quando se trata da Bíblia, ou tudo o que ela ensina é crido ou nada do que ela ensina é crido.

A declaração de Lutero aqui exige consideração. Que opção temos no lugar da doutrina da completa inerrância e absoluta veracidade da Bíblia? Inerrância limitada? Por que não chamar simplesmente de errância limitada? Agostinho, Calvino e Lutero, assim como muitos outros, todos alertaram sobre o perigo de uma visão da veracidade bíblica que seja menos do que a completa inerrância. Essa tem sido a posição cristã ortodoxa ao longo dos séculos.

Um livro antigo para hoje?

À medida que a igreja enfrentava o começo do século XX, o modernismo estava a todo vapor. Suas realizações foram grandes, incluindo progressos monumentais nas ciências e tecnologia. Todos esses avanços suscitaram uma questão de importância singular: um livro antigo ainda é uma autoridade segura e confiável para hoje?

Warfield respondeu a essa pergunta com um ressonante sim para sua geração. À medida que as denominações e os seminários, um por um, se empenhavam em questionar a autoridade bíblica na década de 1970, o grupo de pastores e teólogos de Chicago respondeu com seu próprio e retumbante sim à autoridade não adulterada das Escrituras para sua geração. Aqueles labores de Warfield e dos idealizadores e signatários da Declaração de Chicago sustentaram um século de pastores e ministros do evangelho. A obra deles fortaleceu a igreja.

Embora vivamos em uma nova geração, ela está tristemente perturbada pelo mesmo antigo problema de insubmissão à Palavra de Deus. Mais tristemente, tal falta de submissão também pode estar presente na igreja. Portanto, devemos ler nossa história da igreja e aprender a reagir. Ao lermos as páginas da história da igreja, veremos primeiro a reverência que nossos antecessores tinham pela Bíblia e sua visão da sua completa veracidade e autoridade não adulterada. Nós também seremos levados de volta às páginas da própria Bíblia, de volta à Palavra de Deus, a Palavra da verdade para todas as épocas.


Por: Stephen Nichols . © Ligonier Ministries.Website: ligonier.org. Traduzido com permissão. Fonte: How We Got Here.

Original: Se Deus é o autor da Escritura, então a Escritura é verdadeira. © Ministério Fiel. Website: MinisterioFiel.com.br. Todos os direitos reservados. Tradução: Camila Rebeca Teixeira. Revisão: André Aloísio Oliveira da Silva.

-







-
Lâmpada para os meus pés é tua palavra, e luz para o meu caminho.
Salmos 119:105



Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Se Deus é o autor da Escritura, então a Escritura é verdadeira
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» Se Tudo Faz Parte do Plano de Deus, que Diferença Faz Orar ou Não?
» VAMOS LOUVAR A DEUS ? ENTÃO CANTE COM AGENTE AQUI . hINO DE NUMERO 20.
» Deus pode ser considerado o autor intelectual do assassinato de Abel?
» Assembléias de Deus - O que há de verdade por de trás!
» Deus diz: Bem aventurados os que pregam o Apocalipse

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
SEMEADORES DA PALAVRA DE DEUS - A PORTA DE DEUS PARA A SALVAÇÃO. :: FÓRUM ESTUDOS BÍBLICOS-
Ir para: