SEMEADORES DA PALAVRA DE DEUS - A PORTA DE DEUS PARA A SALVAÇÃO.


 
InícioPortalRegistrar-seConectar-se
Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo. ” 2 Corintios 5.17
ESCOLA BÍBLICA
ORAÇÕES
Quem está conectado
29 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 29 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 183 em Ter 19 Nov 2013, 18:07
Últimos assuntos
» Minuto com Deus!!!
Hoje à(s) 02:13 por Paulo Cezar

» Frase do dia.
Ontem à(s) 22:18 por Henrique

» PASTOR JOSUÉ BRANDÃO - N°026 - A CHAMADA DE MATEUS
Qua 22 Mar 2017, 22:12 por Paulo Cezar

» Após 500 anos, Reforma Protestante ainda está em curso, afirma importante líder cristão
Qua 22 Mar 2017, 20:30 por Henrique

» Pastor e escritor Paul Washer sofre ataque cardíaco e é internado em estado grave
Qua 22 Mar 2017, 20:20 por Henrique

»  AS SETE TROMBETAS 2ª.Parte Ap.8.1-6
Seg 20 Mar 2017, 22:11 por guganic

» ESCOLA BÍBLICA MARÇO 2017 ENTENDIMENTO BÍBLICO CONVERSÃO. PARTE 3: MÁS PRÁTICAS NO EVANGELISMO
Dom 19 Mar 2017, 06:47 por Henrique

» Uma nova porta
Sab 18 Mar 2017, 13:46 por M.Rogério

» MARAVILHADOS COM A DOUTRINA DE CRISTO Mt. 22.15-33
Sab 18 Mar 2017, 09:08 por guganic

»  ERROS MONUMENTAIS & ERROS COMUNS Dt. 4.1-9
Sex 17 Mar 2017, 16:54 por guganic

» Eleitos para a Salvação em Cristo ???
Sex 17 Mar 2017, 00:21 por M.Rogério

» É De Arrepiar! A voz desta cantora Deficiente Visual vai tocar seu coração!
Qui 16 Mar 2017, 21:01 por Paulo Cezar

» 3 perguntas para fazer antes de ouvir qualquer sermão
Qua 15 Mar 2017, 21:04 por Henrique

»  AS SETE TROMBETAS Ap.1.1-3 - 1ª. Parte -
Qua 15 Mar 2017, 12:15 por guganic

» SIMEÃO E A PROFUNDA AFLIÇÃO DE MARIA Lc. 2.25-35
Dom 12 Mar 2017, 10:49 por jairo nuness

» ESCOLA BÍBLICA MARÇO 2017 ENTENDIMENTO BÍBLICO CONVERSÃO. PARTE 1 comentários
Sab 11 Mar 2017, 21:59 por Henrique

» ESCOLA BÍBLICA MARÇO 2017 ENTENDIMENTO BÍBLICO CONVERSÃO. PARTE 2: O TESTEMUNHO E EVANGELISMO
Sab 11 Mar 2017, 21:56 por Henrique

» Duas verdades infinitamente fortes e doces DEVOCIONAL
Sab 11 Mar 2017, 19:14 por Henrique

»  UM NOVO DIA NA VIDA DE JAIRO Mc. 5.21-24 e 41 (Ou na tua vida!)
Sex 10 Mar 2017, 23:30 por guganic

» . Sublime Amor -N:031 Hinário Adventista
Ter 07 Mar 2017, 11:00 por elizeu crepaldi

» Quem salva é Jesus e ninguém mais! - "Dedos de Davi" !!!
Seg 06 Mar 2017, 23:30 por Paulo Cezar

» Hora da mensagem .
Dom 05 Mar 2017, 13:03 por jairo nuness

» ESCOLA BÍBLICA MARÇO 2017 ENTENDIMENTO BÍBLICO CONVERSÃO. PARTE 1
Sab 04 Mar 2017, 23:12 por Henrique

» FAZENDO O CERTO DE MANEIRA ERRADA. I Cr. 13.
Sex 03 Mar 2017, 15:10 por guganic

Navegação
______ _______ ______ ______ _______ _______ ______ _______ ______ ________
Choose Your Language
English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
BÍBLIA EM ÁUDIO

Fórum grátis

DICIONÁRIO BÍBLICO



FIQUE POR DENTRO


imprimir uma pagina


Compartilhe | 
 

 O Mordomo Infiel

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Antonio Claudio
. . .MEMBRO ESPECIAL
.   .   .MEMBRO ESPECIAL
avatar

Masculino Mensagens : 47
nascido em : 06/12/1985
inscrito em : 25/07/2011
Idade : 31
Localização : Ananindeua. Pará. Brasil

MensagemAssunto: O Mordomo Infiel   Ter 26 Jul 2011, 02:45

O MORDOMO INFIEL - LC 16,1 Essa seção inclui a parábola do mordomo infiel (vv. l-8a), e vários enunciados de Jesus relacionados à parábola, ou ao tema de dinheiro em geral (vv. 8b-13). Esse texto na maior parte é singular em Lucas (embora Lucas 16:13 = Mateus 6:24) e contribui para expressar a preocupação de Lucas quanto ao uso adequado das riquezas. 16:l-8a Poucas parábolas de Jesus têm constituído enigma para os leitores dos evangelhos mais que a parábola do mordomo infiel. A principal questão relaciona-se com o homem rico que louvou... o injusto adminis trador. Uma segunda questão relaciona-se com a razão por que Jesus menciona os atos desse empregado desonesto com palavras de aprovação, usando-o como exemplo perante seus discípulos. A primeira pergunta só se pode entender e responder quando a pessoa entende totalmente o ato cometido pelo mordomo infiel. Uma antiga interpretação dessa parábola dizia que o homem rico ficou impressionado com a esperteza do mordomo que, ao receber a notificação de demissão, desonestamente reduziu as contas que terceiros deviam a seu senhor, de tal modo que ele se colocou em situação favorável com esses devedores, clientes de seu patrão. Embora o homem rico tenha sido roubado de novo pelo delinqüente, fica, todavia, muito impressionado com a malícia desse mau empregado (v. Tiede, p. 282-3). Existe uma idéia que se relaciona a essa interpretação, segundo a qual o mordomo infiel eliminou os juros das contas devidas, de conformidade com as leis do Antigo Testamento contra a usura (v. Deuteronômio 15:7,8; 23:2-21). Assim, a idéia é que o empregado desonesto acabou realizando uma obra apropriada, justa e bíblica. Essa interpretação da parábola, no entanto, não é satisfatória. Por que o senhor deveria louvar o injusto administra dor? Teria ele algo bom a dizer a respeito de alguém que não só lhe espoliou os bens (v. 1), mas ainda, depois de ter sido demitido (v. 2), piorou a situação ao roubar-lhe mais um pouco? Essa conclusão nos parece inadmissível. Mais plausível é a hipótese aventada por J. Duncan M. Derrett ("Fresh Light on St Luke xvi:I. The Parable of theUnjust Steward" [Nova Luz Sobre Lucas 16: A Parábola do Mordomo Infiel], NTS 7 [1961], p. 198-219), seguido de Fitzmyer (p. 1097-98), segundo a qual o que o empregado desonesto fez foi cancelar suas comissões, que o senhor lhe devia, ou suas participações nos lucros. Ao cancelar suas comissões, os débitos dos devedores de seu senhor diminuíram. Essa ação, sem dúvida, resultaria em bondade no futuro, da parte desses credores para com o mordomo infiel. Nesse caso, o homem rico não foi enganado mais uma vez, por essas ações finais daquele que fora demitido. Os credores continuam devendo o que deviam ao senhor; o ex-mordomo, abrindo mão de suas comissões que lhe eram devidas, contempla agora um futuro menos trevoso, mais promissor. Se entendermos a parábola dessa maneira, tornar-se-á muito mais fácil entender a razão por que Jesus viu na ação do mordomo infiel um exemplo a ser imitado por seus discípulos. Esses, à semelhança do mordomo infiel, deveriam reconhecer a vantagem de abrir mão de um pouco agora, para que um dia, no futuro, se possa ganhar muito mais. 16:8b-13 / Várias lições podem ser tiradas da parábola do mordomo infiel (16: l-8a). A implicação é que esse mordomo esperto, mas desonesto, é digno de elogios por causa das providências astuciosas que tomou a fim de garantir seu futuro. Os discípulos de Jesus deveriam aprender uma lição da inteligência demonstrada pelo mordomo. O v. 8b sugere que muitas pessoas, os filhos deste mundo são mais prudentes na sua geração do que os filhos da luz. Portanto, "os cristãos podem aprender alguma coisa da prudência dessas pessoas do mundo" (Fitzmyer, p. 1106). Uma lição que tiramos dessa parábola está no v. 9. Os discípulos de Jesus recebem a ordem de granjear amigos com as riquezas da injustiça (lit, "fazei amigos com as riquezas da injustiça"). Jesus (ou Lucas) não está propondo a seus discípulos que adquiram riquezas desonestamente, mas está exortando-os a que não desprezem oportunidades e recursos que sustentarão o povo de Deus e farão progredir a missão cristã. Ao usar os recursos deste mundo de forma sábia, os cristãos podem ter certeza de que, quando estas [as riquezas] vos faltarem (assim diz a Vulgata: "quando você faltar" [i.e., "morrer"), vos recebam eles nos tabernáculos eternos. Enquanto os seguidores de Jesus estiverem na terra, deverão fazer uso dos recursos deste mundo, para que se mantenham a si mesmos e à obra da igreja. Todavia, quando estes recursos se exaurirem e a obra daquela vida terminar, os seguidores de Cristo podem esperar ser recebidos num lar eterno, não temporário, um lar cujos recursos são infinitos. Nos vv. 10-12 tiramos uma segunda lição da parábola do mordomo infiel. O princípio do v. 10 é que pela forma de a pessoa conduzir-se no mínimo, isto é, com "poucas coisas", evidencia-se a forma pela qual ela vai conduzir-se no muito, isto é, quando dispuser de "muitas coisas". No v. 11 chegamos àquilo que, para Lucas, é talvez o cerne da questão. Se os seguidores de Jesus não conseguem manejar adequadamente as riquezas mundanas, não podem esperar que lhes sejam confiadas as celestiais, as verdadeiras. Em outras palavras, se os cristãos não conseguem gerir adequadamente seu dinheiro, suas propriedades e outros bens materiais (no socorro aos pobres e sustento do ministério), não devem esperar que se lhes confiem as recompensas e as riquezas de duração eterna (cf. Mateus 6:25-34). Fica implícito que a mordomia do crente nesta vida forma a base da recompensa e responsabili dade futuras, no céu (v. Mateus 25:14-30). O v. 12 acrescenta um novo pensamento a essa segunda lição: se os discípulos de Jesus no alheio não foram fiéis, quem lhes dará o que é deles? Ou seja: se não cuidarem bem da propriedade de Deus (o alheio), será que Deus lhes dará a bênção que lhes foi prometida (o que é deles)? O v. 13 prove a terceira lição extraída da parábola do mordomo infiel. Em Mateus esse versículo ocorre num contexto muito mais amplo (6:24), concernente à necessidade de a pessoa ser leal a Deus em relação às coisas do mundo. Aqui em Lucas o enunciado ressalta mais uma verdade com respeito às riquezas, algo que todo seguidor de Jesus deve saber, uma verdade que já fora proposta nos vv. 9-12. Os cristãos devem toda lealdade a Deus e não às riquezas (lit., "mammon"; v. a nota abaixo). Esse enunciado impede, assim, que alguém entenda mal os vv. 8b e 9 acima. É verdade que os cristãos devem aplicar suas riquezas em bons propósitos, mas não devem escravizar-se a elas. Aqui está um grave perigo para muitos cristãos. O que com freqüência é tido como "boa mordomia", isto é, "boa administração de bens", ou "bênçãos vindas de Deus", na verdade nada mais é que usura, avareza e materialismo. Por todo o seu evangelho, Lucas revela preocupação quanto à atitude correta no uso das riquezas. Lucas 16 provavelmente representa o ponto mais alto desse tema. A lição básica com que essa passagem se encerra é que os cristãos devem estar preocupados com a utilização adequada das riquezas, impedindo que se tornem ídolos.
Voltar ao Topo Ir em baixo
 
O Mordomo Infiel
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» O Mordomo Infiel
» Quem é fiel no pouco; pode ser infiel no muito

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
SEMEADORES DA PALAVRA DE DEUS - A PORTA DE DEUS PARA A SALVAÇÃO. :: FÓRUM ESTUDOS BÍBLICOS-
Ir para: