SEMEADORES DA PALAVRA DE DEUS - A PORTA DE DEUS PARA A SALVAÇÃO.


 
InícioPortalRegistrar-seConectar-se

Porque eu nào vim a chamar os justos, mas os pecadores, ao arrependimento. Mateus 9.13

http://i.imgur.com/WOeDEht.jpg
ESCOLA BÍBLICA
ORAÇÕES
Quem está conectado
30 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 30 Visitantes :: 1 Motor de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 183 em Ter 19 Nov 2013, 18:07
Últimos assuntos
» Minuto com Deus!!!
Hoje à(s) 01:56 por Paulo Cezar

» Frase do dia.
Ontem à(s) 00:24 por Paulo Cezar

» E ai, tudo bem?
Ter 18 Jul 2017, 21:13 por Henrique

» Os 10 pastores que não respeito e não admiro
Sab 15 Jul 2017, 20:04 por Henrique

» Nós trabalhamos por meio da graça
Sab 15 Jul 2017, 15:39 por Henrique

» Você não pode plantar uma igreja se não sabe o que é uma
Sex 14 Jul 2017, 21:04 por Henrique

» Bispo Edir Macedo Volta A Acenar À Militância LGBT E Diz Que Jesus Não Condenou A Homossexualidade
Qui 13 Jul 2017, 21:10 por guganic

» A cristã sudanesa que chegou a ser condenada à morte por causa da fé
Qua 12 Jul 2017, 19:51 por Henrique

» Vilson Lemes, seja bem-vindo
Qua 12 Jul 2017, 14:11 por guganic

» Se Deus é o autor da Escritura, então a Escritura é verdadeira
Ter 11 Jul 2017, 20:45 por Henrique

» As surpresas da vida
Ter 11 Jul 2017, 13:53 por M.Rogério

» Como ocorre a verdadeira conversão!
Dom 09 Jul 2017, 21:15 por M.Rogério

» Aniversario do nosso forum .7 anos.
Sex 07 Jul 2017, 02:55 por M.Rogério

» O Evangelho fraudulento o magico Simão
Qui 06 Jul 2017, 23:41 por M.Rogério

» O PODER DA TENTAÇÃO Mt. 6.9-13
Qui 06 Jul 2017, 10:25 por guganic

» Deus está conosco mesmo na passagem desta vida para a eternidade.
Qua 05 Jul 2017, 23:39 por Henrique

» QUEM NÃO SE MANIFESTA TORNA-SE CÚMPLICE
Ter 04 Jul 2017, 21:27 por Henrique

»  Muitos caem na idolatria por adorar a teologia da prosperidade
Seg 03 Jul 2017, 13:43 por Henrique

» Culto da vitória: pastor diz que não há base bíblica para essas reuniões e mostra cinco motivos
Dom 02 Jul 2017, 23:24 por M.Rogério

» Eu não vim chamar justos, mas pecadores
Dom 02 Jul 2017, 18:42 por Henrique

» Lei transforma em crime pregações que denunciem homossexualidade e ideologia de gênero como pecado
Sab 01 Jul 2017, 23:30 por Henrique

» Confrontar o pecado com a Bíblia não é falta de amor
Sex 30 Jun 2017, 19:55 por Henrique

» Cientistas da atualidade que professam o Cristianismo
Qui 29 Jun 2017, 10:41 por Henrique

» Marco Antonio Villa diz que “igreja é um negócio” e por isso deve pagar impostos
Qua 28 Jun 2017, 21:44 por Henrique

Navegação
______ _______ ______ ______ _______ _______ ______ _______ ______ ________
Choose Your Language
English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
BÍBLIA EM ÁUDIO

Fórum grátis

DICIONÁRIO BÍBLICO



FIQUE POR DENTRO


imprimir uma pagina


Compartilhe | 
 

 Confrontar o pecado com a Bíblia não é falta de amor

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Henrique

avatar

RELIGIAO : Cristão, denominação: Batista
Masculino Mensagens : 5200
nascido em : 27/01/1961
inscrito em : 09/09/2011
Idade : 56
Localização : São Paulo, capital

MensagemAssunto: Confrontar o pecado com a Bíblia não é falta de amor   Sex 30 Jun 2017, 19:55

.

Confrontar o pecado com a Bíblia não é falta de amor, alerta pastor a evangélicos “sentimentalistas”


O tempo da pós-verdade, sustentado pelo mantra do amor pregado em verso e prosa na mídia, vem seduzindo cristãos e criando resistência à verdade bíblica. Diante desse cenário, o reverendo Augustus Nicodemus, da Primeira Igreja Presbiteriana de Goiânia, publicou um artigo alertando sobre os riscos dessa tendência.

Em sua reflexão, o pastor diz que não se pode “aceitar que seja falta de amor confrontar irmãos que entendemos não estarem andando na verdade”, uma vez que os apóstolos pregaram a correção de erros mesmo que isso causasse desconforto.

“Confrontar é falta de amor? Tornou-se comum evangélicos acusarem de falta de amor outros evangélicos que tomam posicionamentos firmes em questões éticas, doutrinárias e práticas. A discussão, o confronto e a exposição das posições de outros são consideradas como falta de amor […] Muitos vão dizer que essa atitude é arrogante e que ninguém é dono da verdade. Outros, contudo, entenderão que faz parte do chamamento bíblico examinar todas as coisas, reter o que é bom e rejeitar o que for falso, errado e injusto”, enfatizou.

“Apelar para o amor sempre encontra eco no coração dos evangélicos, mas falar de amor não é garantia de espiritualidade e de verdade. Tem quem se gabe de amar e que não leva uma vida reta diante de Deus. O profeta Ezequiel enfrentou um grupo desses. “… com a boca, professam muito amor, mas o coração só ambiciona lucro” (Ezequiel 33.31). O que ocorre é que às vezes a ênfase ao amor é simplesmente uma capa para acobertar uma conduta imoral ou irregular diante de Deus”, frisou.


Augustus Nicodemus observa que “o amor que é cobrado pelos evangélicos sentimentalistas acaba se tornando a postura de quem não tem convicções”, e lembra, em sua conclusão, que “o amor bíblico disciplina, corrige, repreende, diz a verdade”.

Na conclusão, o alerta final para as mentiras pregadas em nome do politicamente correto: “O amor cobrado pelos que se ofendem com a defesa da fé, a exposição do erro e o confronto da inverdade não é o amor bíblico. Falta de amor para com as pessoas seria deixar que elas continuassem a ser enganadas sem ao menos tentar mostrar o outro lado da questão”.

Confira a íntegra do artigo do reverendo Augustus Nicodemus Lopes:

Confrontar é falta de amor?


Tornou-se comum evangélicos acusarem de falta de amor outros evangélicos que tomam posicionamentos firmes em questões éticas, doutrinárias e práticas. A discussão, o confronto e a exposição das posições de outros são consideradas como falta de amor.

É possível que no calor de uma argumentação, durante um debate, saiam palavras ou frases que poderiam ter sido ditas ou escritas de uma outra forma. A sabedoria reside em conhecer “o tempo e o modo” de dizer as coisas (Eclesiastes 8.5). Todos nós já experimentamos a frustração de descobrir que nem sempre conseguimos dizer as coisas da melhor maneira.

Todavia, não posso aceitar que seja falta de amor confrontar irmãos que entendemos não estarem andando na verdade, assim como Paulo confrontou Pedro, quando este deixou de andar de acordo com a verdade do Evangelho (Gálatas 2:11). Muitos vão dizer que essa atitude é arrogante e que ninguém é dono da verdade. Outros, contudo, entenderão que faz parte do chamamento bíblico examinar todas as coisas, reter o que é bom e rejeitar o que for falso, errado e injusto.

Considerar como falta de amor o discordar dos erros de alguém é desconhecer a natureza do amor bíblico. Amor e verdade andam juntos. Oséias reclamou que não havia nem amor nem verdade nos habitantes da terra em sua época (Oséias 4.1). Paulo pediu que os efésios seguissem a verdade em amor (Efésios 4.15) e aos tessalonicenses denunciou os que não recebiam o amor da verdade para serem salvos (2Tessalonicenses 2.10). Pedro afirma que a obediência à verdade purifica a alma e leva ao amor não fingido (1Pedro 1.22). João deseja que a verdade e o amor do Pai estejam com seus leitores (2João 3). Querer que a verdade predomine e lutar por isso não pode ser confundido com falta de amor para com os que ensinam o erro.

Apelar para o amor sempre encontra eco no coração dos evangélicos, mas falar de amor não é garantia de espiritualidade e de verdade. Tem quem se gabe de amar e que não leva uma vida reta diante de Deus. O profeta Ezequiel enfrentou um grupo desses. “… com a boca, professam muito amor, mas o coração só ambiciona lucro” (Ezequiel 33.31). O que ocorre é que às vezes a ênfase ao amor é simplesmente uma capa para acobertar uma conduta imoral ou irregular diante de Deus. Paulo criticou isso nos crentes de Corinto, que se gabavam de ser uma igreja espiritual, amorosa, ao mesmo tempo em que toleravam imoralidades em seu meio:
– “andais vós ensoberbecidos e não chegastes a lamentar, para que fosse tirado do vosso meio quem tamanho ultraje praticou? Não é boa a vossa jactância…” (1Co 5.2,6).

Tratava-se de um jovem “incluído” que dormia com sua madrasta. O discurso das igrejas que hoje toleram todo tipo de conduta irregular em seus membros é exatamente esse, de que são igrejas amorosas, que não condenam nem excluem ninguém.

Ninguém na Bíblia falou mais de amor do que o apóstolo João, conhecido por esse motivo como o “apóstolo do amor”. Ele disse que amava os crentes “na verdade” (2João 1; 3João 1), isto é, porque eles andavam na verdade. “Verdade” nas cartas de João tem um componente teológico e doutrinário. É o Evangelho em sua plenitude. João ama seus leitores porque eles, junto com o apóstolo, conhecem a verdade e andam nela. A verdade é a base do verdadeiro amor cristão. Nós amamos os irmãos porque professamos a mesma verdade sobre Deus e Cristo.

Todavia, eis o que o apóstolo do amor proferiu contra mestres e líderes evangélicos que haviam se desviado do caminho da verdade:
– “Eles saíram de nosso meio; entretanto, não eram dos nossos; porque, se tivessem sido dos nossos, teriam permanecido conosco; todavia, eles se foram para que ficasse manifesto que nenhum deles é dos nossos” (1Jo 2.19).
– “Quem é o mentiroso, senão aquele que nega que Jesus é o Cristo? Este é o anticristo, o que nega o Pai e o Filho” (1Jo 2.22).
– “Aquele que pratica o pecado procede do diabo” (1Jo 3.8 ).
– “Nisto são manifestos os filhos de Deus e os filhos do diabo” (1Jo 3.10).
– “todo espírito que não confessa a Jesus não procede de Deus; pelo contrário, este é o espírito do anticristo, a respeito do qual tendes ouvido que vem e, presentemente, já está no mundo” (1Jo 4.3).
– “… muitos enganadores têm saído pelo mundo fora, os quais não confessam Jesus Cristo vindo em carne; assim é o enganador e o anticristo… Todo aquele que ultrapassa a doutrina de Cristo e nela não permanece não tem Deus… Se alguém vem ter convosco e não traz esta doutrina, não o recebais em casa, nem lhe deis as boas-vindas. Porquanto aquele que lhe dá boas-vindas faz-se cúmplice das suas obras más” (2Jo 7-1).
Poderíamos acusar João de falta de amor pela firmeza com que ele resiste ao erro teológico?

O amor que é cobrado pelos evangélicos sentimentalistas acaba se tornando a postura de quem não tem convicções. O amor bíblico disciplina, corrige, repreende, diz a verdade. E quando se vê diante do erro seguido de arrependimento e da contrição, perdoa, esquece, tolera, suporta. O Senhor Jesus, ao perdoar a mulher adúltera, acrescentou “vai e não peques mais”. O amor perdoa, mas cobra retidão. O Senhor pediu ao Pai que perdoasse seus algozes, que não sabiam o que faziam; todavia, durante a semana que antecedeu seu martírio não deixou de censurá-los, chamando-os de hipócritas, raça de víboras e filhos do inferno. Essa separação entre amor e verdade feita por alguns evangélicos torna o amor num mero sentimentalismo vazio.

Portanto, o amor cobrado pelos que se ofendem com a defesa da fé, a exposição do erro e o confronto da inverdade não é o amor bíblico. Falta de amor para com as pessoas seria deixar que elas continuassem a ser enganadas sem ao menos tentar mostrar o outro lado da questão.

-







-
Lâmpada para os meus pés é tua palavra, e luz para o meu caminho.
Salmos 119:105



Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Confrontar o pecado com a Bíblia não é falta de amor
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» Pergunta para irmão Elizeu Crepaldi. Qual o primeiro pecado registrado na Bíblia?
» "ALMEIDA REVISTA E ATUALIZADA" – UMA BÍBLIA ECUMÊNICA?
» Os críticos pós-modernos da Bíblia e a arqueologia atual
» Problemas com a Bíblia NVI
» DESCULPE-ME! Quero comprar uma Bíblia.

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
SEMEADORES DA PALAVRA DE DEUS - A PORTA DE DEUS PARA A SALVAÇÃO. :: FÓRUM ESTUDOS BÍBLICOS-
Ir para: